BRICS desafiam hegemonia do dólar americano: o ângulo cripto

Last Updated:
BRICS Challenge to U.S. Dollar Hegemony: The Crypto Angle
  • Os países do Brics podem estar usando criptomoedas para desafiar o domínio econômico dos EUA.
  • As stablecoins podem ser uma ferramenta potencial para enfrentar a crise da dívida dos EUA.
  • O fim do petrodólar pode enfraquecer a influência global do dólar.

Um youtuber de criptomoedas analisou como o bloco BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) está desafiando os Estados Unidos na frente econômica, potencialmente alavancando criptomoedas para obter uma vantagem.

O podcast analisa como as nações do Brics estão formando alianças com outros países que podem ter se oposto anteriormente aos EUA. O apresentador também destaca o potencial uso de criptomoedas pela Rússia, especificamente o USDT da Tether, para lavar dinheiro.

Citando um relatório da empresa de análise de blockchain, Inca Digital, sugere-se que os russos podem estar negociando criptomoedas por meio de plataformas que não exigem verificações KYC (Know Your Customer). O relatório também lista exchanges como Huobi e Kucoin que permitem transações com bancos russos, apesar das sanções. BitBoy também observa um aumento no uso de Tether pelos russos após o início da guerra.

A discussão conclui enfatizando que o mundo está mudando para moedas digitais de bancos centrais (CBDCs), e criptomoedas como Tether desempenham um papel significativo nessa transição.

Um artigo de opinião recente do Wall Street Journal destacou como as stablecoins podem ser uma ferramenta vital para enfrentar a iminente crise da dívida dos EUA. O relatório enfatizou a importância estratégica das stablecoins na manutenção da hegemonia do dólar americano. As preocupações surgiram depois que o acordo Petrodólar entre a Arábia Saudita, rica em petróleo, e os EUA expirou em 9 de junho, sem renovação à vista. “Petrodólar” refere-se ao papel do dólar nas transações de petróleo bruto. A rescisão do acordo pode levar a Arábia Saudita a vender petróleo em outras moedas.

Esse desenvolvimento pode ser preocupante para o governo dos EUA, que depende do domínio do dólar para apoiar seus empréstimos e gastos. Além disso, os esforços da China para persuadir nações ricas em petróleo, como a Arábia Saudita, a aceitar o yuan para o petróleo, e a abertura desta última à ideia, aumentaram o mal-estar. A adesão da Arábia Saudita ao bloco BRICS este ano deve fortalecer os laços econômicos dos dois países.

Todos esses desenvolvimentos ressaltam a necessidade de os EUA se adaptarem a um cenário financeiro em mudança e considerarem o impacto dos ativos digitais em sua hegemonia econômica.

Disclaimer: The information presented in this article is for informational and educational purposes only. The article does not constitute financial advice or advice of any kind. Coin Edition is not responsible for any losses incurred as a result of the utilization of content, products, or services mentioned. Readers are advised to exercise caution before taking any action related to the company.